sexta-feira, 20 de maio de 2016

Questão 47 - CRC 02/2015 - Prova de Bacharel – Auditoria Contábil

De acordo com a NBC TA 240 – Responsabilidade do Auditor em Relação a Fraude no Contexto da Auditoria de Demonstrações Contábeis, NÃO constitui aspecto do qual decorre informação contábil fraudulenta:

a) a aplicação incorreta intencional dos princípios contábeis relativos a valores, classificação, forma de apresentação ou divulgação.
b) a manipulação, falsificação ou alteração de registros contábeis que serviram de base à elaboração de demonstrações contábeis.
c) a mentira ou omissão intencional nas demonstrações contábeis de eventos, operações ou outras informações significativas.
d) a utilização não intencional de processos matemáticos imprecisos para a realização de estimativas relacionadas a ajustes contábeis.

Resolução em texto:

Bom, para resolver essa questão é necessário ter conhecimento na NBC TA 240 – Responsabilidade do Auditor em Relação a Fraude no Contexto da Auditoria de Demonstrações Contábeis. Entretanto, creio que com bom senso também dá para ganhar o ponto dessa questão, pois dá para sabermos o que é fraude ou o que é erro.

Se eu não soubesse exatamente o que diz lá nessa NBC TA 240, pelo menos sei que o erro é quando cometemos algo indevido sem a intenção, entretanto, a fraude é quando cometemos algo indevido de forma intencional, ou seja, premeditado.

Então, analisaria as questões da seguinte maneira:

Alternativa “a”: a aplicação incorreta intencional dos princípios contábeis relativos a valores, classificação, forma de apresentação ou divulgação.
É Fraude, pois a aplicação incorreta foi “intencional”.

Alternativa “b”: a manipulação, falsificação ou alteração de registros contábeis que serviram de base à elaboração de demonstrações contábeis.
É Fraude, pois manipulou e falsificou, logo, de forma “intencional”.

Alternativa “c”: a mentira ou omissão intencional nas demonstrações contábeis de eventos, operações ou outras informações significativas.
É Fraude, pois mentiu e omitiu de forma “intencional”.

Alternativa “d”: a utilização não intencional de processos matemáticos imprecisos para a realização de estimativas relacionadas a ajustes contábeis.
É Erro, pois cometeu algo de forma “não intencional”.

Lá na NBC TA 240, no item 11 que trata das “Definições” diz o seguinte sobre Fraude:
“Fraude é o ato intencional de um ou mais indivíduos da administração, dos responsáveis pela governança, empregados ou terceiros, que envolva dolo para obtenção de vantagem injusta ou ilegal.”


Sendo assim, a alternativa que NÃO corresponde à FRAUDE é a letra “D”.

Acesse e leia a NBC TA 240 – Responsabilidade do Auditor em Relação a Fraude no Contexto da Auditoria de Demonstrações Contábeis na íntegra! Clique no link abaixo:

Deus abençoe!
Sucesso!
Yasmin

Nenhum comentário:

Postar um comentário